Com coronavírus, governo projeta rombo de R$ 540 bilhões em suas contas em 2020

Com coronavírus, governo projeta rombo de R$ 540 bilhões em suas contas em 2020

Na última sexta (22), o ministério da economia estimou uma queda de 540 bilhões das contas públicas no ano de 2020 devido ao coronavírus.

Isso está ocorrendo devido às consequências da nova pandemia que assusta o mundo e tem gerado grandes prejuízos, na tentativa de amparar as pessoas mais carentes e investir na área da saúde buscando ter melhores recursos para combater o vírus o governo tem perdido grande parte das suas arrecadações, flexibilizado pagamentos o que diminui as receitas.

publicidade

A arrecadação diminuiu bastante devido a desaceleração da economia não só brasileira, mas mundial, o que é um grande problema porque bem na hora que o governo mais precisa de dinheiro está arrecadando bem menos.

A princípio o déficit primário deste ano era de de R$ 124,1 bilhões, agora com o novo cenário o que se espera é de um gasto de R$1,753 trilhão e uma receita de R$1,213 trilhão o que gera um déficit de 540,5 milhões de reais um número bem alarmante, mas que foi aprovado pelo executivo devido a calamidade pública em que o país se encontra.

De acordo com balanço feito pelo governo somente no mês de abril houve uma diminuição de 28,95% na arrecadação de impostos esses valores para o mês não eram tão baixos a cerca de 14 anos.

A dois mêses atrás se esperava uma queda de arrecadação de R$ 133,959 bilhões para o ano de 2020, agora com a pandemia e as médias para tentar minimizar os impactos do coronavírus a queda esperada é de R$ 267,663 bilhões. A previsão é de uma queda também para o PIB de cerca de 4,9% o que é bem prejudicial para a nossa economia.

Alguns dos gastos do governo com o novo vírus são: · 

  •    auxílio emergencial de R$ 600 para pessoas dentro da características necessárias;·     
  •     benefício emergencial para manutenção do emprego e renda para quem teve contrato suspenso jornada reduzida;
  •    pacote de auxílio aos estados e municípios.

Caso os números se confirmem será o pior número desde 1997, não é segredo para ninguém que essa doença trouxe graves problemas na área da saúde e economia nacionais, o futuro ainda é incerto e não se sabe ainda se esses números vão ser atenuados por alguma medida ou se vão chegar a se cumprir, mas o prejuízo econômico após e durante o coronavírus é inevitável.